Isabelle Reis

Escritora

Jornalista

Eu amo Literatura Nacional

Oi, eu sou a Isabelle Reis!
Escritora e jornalista
carioca.

Entra, você é de casa, se não me conhece, chega mais que a gente vai se apresentar, vou te contar minhas histórias, mostrar um pouco da minha experiência profissional, no meu blog, e contar as novidades que estão acontecendo comigo. Boas-vindas.

Conheça meus trabalhos
Dança Perigosa

Entre a corrupção e a violência do Rio, um amor nasce. O que você faria para reencontrar a alma gêmea?

O Baile de Máscaras

Traga a mais bela máscara para esta antologia carioca, organizada por Marlon Souza, que convidou Isabelle Reis e Felipe Saraiça.

Olhe para o Céu

Maria Alice tem o sonho de ser astronauta. Mas sua casa no Complexo do Alemão, suas aulas na escola da favela e a vida humilde parecem não muito ajudar. E agora? Lançamento 21 de julho de 2018.

Blog da Belle

CONHEÇA O VERBO QUE VAI MUDAR SUA VIDA DE ESCRITOR


Muitos livros por aí não seguem esta norma e tratam os travessões apenas como formas de finalizar os diálogos nas histórias. Mas não é bem por aí. Antes de enviar seu livro para alguma editora, publicá-lo na Amazon ou enviar para a diagramação, entenda o que é o verbo dicendi.

Os verbos dicendi ou “de dizer” são aqueles que usamos para introduzir um diálogo. Geralmente é utilizado em entrevistas jornalísticas, contos de ficção, como romances, e prosas. Alguns exemplos de verbos dicendi: afirmar, falar gritar, declarar, ordenar, perguntar, exclamar, pedir, concordar etc. Sempre é importante saber qual o contexto da fala, pois cada verbo carrega um comportamento ou características das personagens.

- Gramática.net.br


Quer saber como usá-lo nas suas histórias? É fácil! Aprender como pontuar os diálogos é uma arte que faz de você um escrito mais experiência e que pode até ficar de olho nos escorregões que seus revisores podem vir a dar. A grande verdade é que conheço poucas pessoas que dominem esta tão simples regra.

Você é um escritor maravilhoso — falou levantando o polegar esquerdo. — Parabéns!

                                                                                

                                                                              Os travessões não podem ser unidos antes ou depois da palavra. Quando você colocar depois do travessão verbos que indicam uma fala (disse, falou, comentou, observou, pontuou...) a frase começa com letra minúscula e sem ponto final. (Mas pode vir a ter ponto de exclamação ou interrogação e a letra, ainda assim, inicia-se de forma minúscula.)

Obrigada! — Abraçou o autor. — Você é muito gentil.
                     
                          
                          quando a frase depois do travessão não começar com um verbo de fala, baste colocar o ponto final e iniciar com a letra maiúscula.

Fácil, não? Agora que você já sabe como construir um diálogo, coloque as mãos na massa e faça uma bela história. 

7 MITOS DA LITERATURA INDEPENDENTE


Esta publicação foi feita em conjunto com os autores Marlon Souza e Lyli Lua

1. Publicar de forma independente custa caro 


Seu dinheirinho vai voar, voar e não voltar para o lar. "Prepara o bolso, migles", vão te dizer. 

Ao invés de cobrar 15 mil (olha o shade), como algumas editoras fazem, você pode pegar o que tiver no bolso e fazer sua própria tiragem.
Ah, mas eu só tenho vinte reais no bolso, o que eu faço? Existem gráficas que imprimem o livro sob demanda. Ou seja, você só paga o que já foi comprado. Mas é sempre bom você se programar pra lançar seu trabalho por aí, viu?

2. Autores independentes não querem ser publicados 

por editoras


"Esse povo indie só quer saber de vender a arte na praia"

Olha, não é porque você está em uma editora que vai deixar de vender sua arte na praia não, viu? Mas, na realidade, muitos autores que lançam os livros de forma independente acabam usando este tipo de publicação como uma vitrine para as grandes editoras. É mais seguro se aventurar desta forma, em alguns casos, do que pagar para se publicar em uma editora pequena que pode não trabalhar tão bem na sua visibilidade. Foram os casos de Carina Rissi e André Vianco, por exemplo.

* você gosta de livros?


3. Livros indie não vão pra livraria


"Você é escritora? Nunca vi seu livro na Saraiva!"

Essa é a maior mentira de todos os tempos. Todo livro independente está em livraria? Não! E todo livro de editora está em livraria? Também não! 
Conseguir ser inserido nos catálogos das lojas é bem difícil, mas não é impossível. Exige esforço e determinação. Autoras como Dresa Guerra e Thati Machado podem ser encontradas nas livrarias tradicionais. 


4. Autores independentes trabalham o dobro do 

que autores em editoras


"Ih, querido, você vai ralar muito. Vai fazer um concurso..."


Estar em uma editora não significa que ela fará tudo por você. Significa que os profissionais que você teria que procurar ela já tem, bem ali. O trabalho é o mesmo, a diferença está na visibilidade que seu livro pode vir a ter em determinadas casas editoriais. A divulgação e a escrita continuam sendo parte do seu trabalho. E, ainda mais complicado, você precisa vender sua tiragem rapidamente para que eles continuem apostando no seu talento. As metas são ainda mais altas. Independentes possuem as próprias metas e só.

*Eu não sou mandona. Eu sou a chefe.

5. Quem vai querer te ouvir falar, se nem alguma 

editora te aceitou?


"Nem espaço você vai ter, se eu tivesse no seu lugar, desistia..."

Você pode ter enviado seu original para mil editoras e nenhuma ter te dado uma reposta positiva, mas cabe apenas a sua escolha decidir ser independente. Ou seja, você está fazendo porque quer e não porque nenhuma editora te aceitou. E pelo seu caminho ter sido ainda mais difícil, muitos leitores e autores vão querer te ouvir. Existem eventos como o LiteraCaxias e a Semana do Livro Nacional que abraçam os autores indies com todas as forças. Então, suas experiências valem ouro sim!


* #leia o livro


6. Publicação independente tem menos qualidade


"Como é que você vai construir esse livro? Tu nem conhece profissionais da área! Vai ficar uma bosta."

Existem livros ruins em todos os segmentos e a literatura independente não fica de fora. Mas não é porque seu livro é indie que ele não vai ter a qualidade das mãos de profissionais. Por isso, invista na qualidade da sua história ao publicá-la. Afinal, a reputação não vai ser da editora e sim somente sua.


7. Em um eventual momento, seu livro vai encalhar 


"Nem vem querer me dar seu livro de presente, porque eu sei que vai encalhar..."

Existem autores que vendem as primeiras tiragens em meses. Danielle Viegas, autora de Gêmeos, vendeu a primeira tiragem independente dela em apenas quarenta e oito horas. 100 exemplares vendidos! Nada de pensar que seu livro vai ficar encostado em casa, pensamento positivo!


* VENDIDO. VENDIDO. VENDIDO

...

COMO ESCAPAR DO BLOQUEIO LITERÁRIO?


Literatura é um mercado. Por isso, existem milhares de profissionais que alimentam essa indústria e sofrem com os bloqueios criativos que qualquer pessoa que trabalhe com a liberação de ideias enfrenta. Atualmente ao disponibilizar um livro para o resgate de algum manuscrito, é necessário entender que existem diversas "regrinhas" que ajudam na escolha do original. O número de páginas não deve ser muito grande, a preferência das grandes editorias é por livros únicos e não sagas, o tipo de escrita e o assunto que esteja sendo abordados no momento ajudam também. Depois de pensar em tantas regras, a verdade é que não sobra muito para a criatividade do autor, não é? 
Por isso, mesmo que você queira jogar tudo para o alto ou seguir os padrões editoriais, o bloqueio sempre vai dar aquele "oizinho" básico em algum momento da construção da sua história. Então fica, que vai ter bolo de bloqueio literário.

Afinal, o que é o bloqueio literário?

Bloqueio literário pode ser entendido como uma dificuldade que as pessoas têm em algum momento de ter uma nova ideia ou inspiração. Isso ajuda no não desenvolvimento da história e impossibilita que o autor continue escrevendo.

1. Faça um roteiro da história


Os roteiros literários ajudam na construção da história como um todo, não só para quando você tiver um bloqueio. Mas quando esta dificuldade aparecer, você pode ir até o seu roteiro e tirar a dúvida do que deve desenvolver no momento. Quer saber como se faz um roteiro? Clique aqui.

2. Trabalho também precisa de momentos de lazer


Sabe quando as pessoas dizem que quando se trabalha com o que ama nem parece que está trabalhando? É basicamente isso. Está no estresse dos prazos e do mal desenvolvimento da história? Pare, vá ler um livro, escrever uma outra história bobinha pro Wattpad, vá fazer uma One-shot do seu seriado favorito. Esqueça o livro por algumas horas e se distraia. Sua cabeça vai voltar muito mais criativa do que antes.

3. Não tenha medo da rejeição


É fácil falar, mas vou ensinar como se faz. Nós, escritores, temos uma permanente vontade interna de aceitação. Por isso, quando recebemos uma crítica ou uma resenha ruim, ficamos tristes e desmotivados. Quando se está escrevendo uma história que não esta sendo lida por ninguém, isso acaba também tirando a motivação. O que eu sugiro é: eleja uns cinco Beta Readers - leitores que seguem a sua história - vá entregando os capítulos para eles e esperando o feedback com os pontos altos e baixos. Atenção! Betas são conhecidos por não entregarem as anotações no prazo. Estabeleça um e fique em cima!

4. Desligue-se do mundo 


O Whatsapp, Facebook e Instagram podem te consumir consideravelmente. Antes de começar a escrever pesquise tudo o que for necessário para aqueles capítulos e feche todas as outras abas. Se lhe fizer melhor, utilize a técnica Pomodoro para intensificar ainda mais o momento de escrita.

5. Sprints, já ouviu falar?


O NaNoWriMo deixou ainda mais em evidência a técnica o Sprint. Vários grupos de autores se reuniram para escrever cada vez mais e aumentar o número de palavras colocadas no site. A técnica é a seguinte: escolha um horário, por exemplo, nove horas da noite. Junte mais um ou dos amigos e por exatamente uma hora, escreva sem para. Não ligue para quais ideias estão vindo, não ligue para erros de português ou pesquisa, apenas escreva por uma hora direta, tudo o que vier a sua mente. Depois você se preocupa com a edição. A competitividade de saber quem escreveu mais estimula seu lado criativo e um amigo ajuda o outro, é demais!


O que é a técnica Pomodoro? 🍅

A Técnica Pomodoro é um método de gerenciamento de tempo desenvolvido por Francesco Cirillo no final dos anos 1980. A técnica consiste na utilização de um cronômetro para dividir o trabalho em períodos de 25 minutos, separados por breves intervalos. A técnica deriva seu nome da palavra italiana pomodoro (tomate), como referência ao popular cronômetro gastronômico na forma dessa fruta. O método é baseado na ideia de que pausas frequentes podem aumentar a agilidade mental.

Entre em contato!

Email

isabellereis@live.com

Quer tirar dúvidas sobre a Publiquei Editorial?

contato@publiqueirevista.com

Até logo!