Isabelle Reis

Escritora

Jornalista

Eu amo Literatura Nacional

segunda-feira, 28 de maio de 2018

7 MITOS DA LITERATURA INDEPENDENTE

Esta publicação foi feita em conjunto com os autores Marlon Souza e Lyli Lua

1. Publicar de forma independente custa caro 


Seu dinheirinho vai voar, voar e não voltar para o lar. "Prepara o bolso, migles", vão te dizer. 

Ao invés de cobrar 15 mil (olha o shade), como algumas editoras fazem, você pode pegar o que tiver no bolso e fazer sua própria tiragem.
Ah, mas eu só tenho vinte reais no bolso, o que eu faço? Existem gráficas que imprimem o livro sob demanda. Ou seja, você só paga o que já foi comprado. Mas é sempre bom você se programar pra lançar seu trabalho por aí, viu?

2. Autores independentes não querem ser publicados 

por editoras


"Esse povo indie só quer saber de vender a arte na praia"

Olha, não é porque você está em uma editora que vai deixar de vender sua arte na praia não, viu? Mas, na realidade, muitos autores que lançam os livros de forma independente acabam usando este tipo de publicação como uma vitrine para as grandes editoras. É mais seguro se aventurar desta forma, em alguns casos, do que pagar para se publicar em uma editora pequena que pode não trabalhar tão bem na sua visibilidade. Foram os casos de Carina Rissi e André Vianco, por exemplo.

* você gosta de livros?


3. Livros indie não vão pra livraria


"Você é escritora? Nunca vi seu livro na Saraiva!"

Essa é a maior mentira de todos os tempos. Todo livro independente está em livraria? Não! E todo livro de editora está em livraria? Também não! 
Conseguir ser inserido nos catálogos das lojas é bem difícil, mas não é impossível. Exige esforço e determinação. Autoras como Dresa Guerra e Thati Machado podem ser encontradas nas livrarias tradicionais. 


4. Autores independentes trabalham o dobro do 

que autores em editoras


"Ih, querido, você vai ralar muito. Vai fazer um concurso..."


Estar em uma editora não significa que ela fará tudo por você. Significa que os profissionais que você teria que procurar ela já tem, bem ali. O trabalho é o mesmo, a diferença está na visibilidade que seu livro pode vir a ter em determinadas casas editoriais. A divulgação e a escrita continuam sendo parte do seu trabalho. E, ainda mais complicado, você precisa vender sua tiragem rapidamente para que eles continuem apostando no seu talento. As metas são ainda mais altas. Independentes possuem as próprias metas e só.

*Eu não sou mandona. Eu sou a chefe.

5. Quem vai querer te ouvir falar, se nem alguma 

editora te aceitou?


"Nem espaço você vai ter, se eu tivesse no seu lugar, desistia..."

Você pode ter enviado seu original para mil editoras e nenhuma ter te dado uma reposta positiva, mas cabe apenas a sua escolha decidir ser independente. Ou seja, você está fazendo porque quer e não porque nenhuma editora te aceitou. E pelo seu caminho ter sido ainda mais difícil, muitos leitores e autores vão querer te ouvir. Existem eventos como o LiteraCaxias e a Semana do Livro Nacional que abraçam os autores indies com todas as forças. Então, suas experiências valem ouro sim!


* #leia o livro


6. Publicação independente tem menos qualidade


"Como é que você vai construir esse livro? Tu nem conhece profissionais da área! Vai ficar uma bosta."

Existem livros ruins em todos os segmentos e a literatura independente não fica de fora. Mas não é porque seu livro é indie que ele não vai ter a qualidade das mãos de profissionais. Por isso, invista na qualidade da sua história ao publicá-la. Afinal, a reputação não vai ser da editora e sim somente sua.


7. Em um eventual momento, seu livro vai encalhar 


"Nem vem querer me dar seu livro de presente, porque eu sei que vai encalhar..."

Existem autores que vendem as primeiras tiragens em meses. Danielle Viegas, autora de Gêmeos, vendeu a primeira tiragem independente dela em apenas quarenta e oito horas. 100 exemplares vendidos! Nada de pensar que seu livro vai ficar encostado em casa, pensamento positivo!


* VENDIDO. VENDIDO. VENDIDO

...

Esta é uma autora que sonha em ser romancista policial, mas já escreveu aventuras, crônicas, livro adolescente e, ah, meu Deus! Deixa para lá, só ser escritora já está bom!

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Isabelle Reis, quanta gentileza sua fazer alusão ao meu trabalho nessa matéria. Adorei o pano de fundo motivacional que permeia o post. A literatura nacional só tem a ganhar com canais que tem esse propósito de compartilhar experiências e perspectivas com autores que começam a trilhar o caminho da publicação independente, como é o meu caso. Agradeço por seu reconhecimento e parabéns pela iniciativa! Beijos e muito sucesso, Iabelle e toda a equipe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisamos motivar os autores nacionais cada vez mais! Seus números de venda são incríveis e precisam ser compartilhados!
      Obrigada por visitar meu site!

      Excluir
  3. Isabelle, primeiro gostaria de agradecer a citação na matéria, tanto como autora, e como produtora da Semana do Livro Nacional - Baixada.

    Adorei a matéria e os pontos mencionados. Nenhum tipo de publicação possui garantia, e cada um deve analisar, com os dois pés no chão, o que pretende arriscar/investir na sua carreira. Independente de onde esteja, o autor deve entender que ele é o melhor vendedor/divulgador do seu livro.

    Parabéns pelo trabalho.

    Dresa Guerra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dresa! Esse acontecimento maravilhoso de colocar suas histórias na livraria não podia faltar, né? haha
      E é claro que vou falar da SLN, foi meu primeiro evento <3

      Excluir

Entre em contato!

Email

isabellereis@live.com

Quer tirar dúvidas sobre a Publiquei Editorial?

contato@publiqueirevista.com

Até logo!